PROBLEMAS CONJUGAIS ENTRE PASTORES

19/06/2015 10:56

Comentario sobre cada item de uma pesquisa* de 1992, publicada nos Estados Unidos, sobre dificuldades que mais produzem problemas conjugais entre pastores.

 

81% tempo insuficiente em conjunto

O Obreiro deve ter tempo para esposa e filhos. O chamado, embora a esposa e filhos aceitem que o esposo ou pai o possua, ele é para o obreiro, e não para os membros da família. Refeições, passeios, entre outros momentos íntimos, jamais podem ser ignorados ou substituídos na família do Pastor. Caso contrário, além dos conflitos, a ruína da família será uma questão de tempo.

71% uso do dinheiro

Educação financeira deveria fazer parte da grade curricular na escola. A igreja poderia ensinar com mais afinco os seus membros a usarem de forma correta o dinheiro, o que nem sempre acontece. Independentemente se é obreiro ou não, o mau uso, e consequentemente a falta do dinheiro, leva casamentos e famílias inteiras passarem por conflitos. Se não há instrução, deve ser interesse do obreiro buscar orientação financeira e aplicar em seu dia-a-dia, para evitar perdas e distúrbios em seu relacionamento conjugal e familiar.

70% nível de renda

O obreiro deve ser digno do seu salário, já dizia o apóstolo Paulo. Mas, em alguns casos, o salário do obreiro é pequeno em relação ao trabalho que o mesmo executa. Diferente de uma empresa, onde se pode crescer profissionalmente, a igreja nem sempre oferece essa expectativa. Cidades e igrejas pequenas oferecem muitas dificuldades ao obreiro local. Em muitos casos, não pode somente depender da igreja, é necessário trabalhar secularmente para ajudar nos custos da família.

64% dificuldades de comunicação

A falta de boa comunicação é um grande mal em nossa sociedade. Já está explicado que o que é obvio para um, nem sempre o é para o outro. Avisos, explicações e conversas com entendimento, devem fazer parte da vida familiar do obreiro. A Bíblia já diz que é para manter longe de nós toda a gritaria. Ser franco, cuidadoso, mantendo o “sim, sim ou não, não”, deve ser a linguagem do cristão no lar. O obreiro deve estar aberto a diálogos no ambiente familiar, caso contrário, não haverá comunhão nem conhecimento das necessidades entre os membros da família.

63% expectativas da congregação

Autoconhecimento, Determinação, Reciclagem de Conhecimento, Resiliência, bem como Criatividade para atividades diversas, são algumas características que os membros locais esperam do Pastor. A igreja cria essa expectativa sobre o mesmo, e esse deve esforçar-se para tê-las diante da congregação. Mas tudo isso exige tempo, estudo e experiência, e deve ser conciliado com a vida familiar. O foco apenas nessas exigências podem trazer sérios transtornos e desconfortos no ambiente familiar do obreiro.

57% diferenças quanto ao lazer

Gosto, não se discute. Mas em família, deve haver um consenso quanto aos gostos pessoais de cada membro da família, em relação aos demais integrantes. O pai ou esposo deve procurar atender, dentro das condições disponíveis, cada individuo de sua família de forma que todos sintam-se supridos naquilo que entendem como lazer em família.

53.% dificuldades na criação dos filhos

A mãe acaba tendo, na maioria das vezes, um contato maior com os filhos. Mas a obrigação da educação dos mesmos, não pode ser imposta apenas sobre a ela. Deve ser distribuída sobre o pai e a mãe, a carga da responsabilidade de educação dos filhos, senão pode haver esgotamento da pessoa que, sozinha, recebe essa responsabilidade.

46% problemas sexuais

Cansaço físico e esgotamento emocional atrapalham a vida sexual de um indivíduo. Crenças distorcidas sobre o propósito do sexo, também trazem incomodo na vida do casal. O Obreiro deve estar bem orientado sobre seu relacionamento sexual, ter conversas intima e sinceras com seu cônjuge, para que a vida sexual seja harmoniosa e os dois tenham suas necessidades supridas. Lembrando que, se a vida sexual de um cristão for mal resolvida, pode até impedir as orações.

41% rancor do pastor com relação à esposa

O rancor deve estar longe da vida de qualquer cristão. Isso causa divisão entre as pessoas e com Deus. O obreiro deve amar o próximo como a si mesmo, inclusive o cônjuge. Caso seja o oposto disso, o lar pode virar um campo de guerra.

35% diferenças quanto à carreira ministerial

Deus jamais escolheria alguém para o trabalho, unicamente para dar problemas. Se Ele chamou cada individuo que forma o casal para um ministério diferente, é porque há um caminho para que os dois possam viver como casal e executarem seus respectivos chamados em harmonia. É preciso acha-lo.

25% diferenças quanto à carreira da esposa

À semelhança dos diferentes ministérios entre o casal, a carreira da esposa deve ser conciliada com entendimento perante a família. O esposo e os filhos devem entendê-la, e ela deve ser uma mulher virtuosa que coopera edificando seu lar. Se for diferente, nem mesmo o melhor salario do mundo trará paz para o lar.

 

*Fonte da pesquisa: Ministerio Pastoral, pgs 163-164.